sábado, 20 de maio de 2017

UM ADEUS A DICA FRAZÃO, A MAIOR EXPRESSÃO DA ARTE AMAZÔNICA QUE VIAJOU O MUNDO.

Dica Frazão tinha a expressão maior da arte, feita com matéria prima extraída da floresta, se transformou em lenda que atravessou barreiras do tempo no cenário internacional.


A artista plástica Raimunda Rodrigues Frazão, carinhosamente conhecida como Dica Frazão, morreu na sexta-feira, 19 de maio em Santarém, no oeste do Pará. Ela estava internada em um hospital particular do município para se tratar de pneumonia.
Com traços únicos e acabamento espetacular, Dica foi artesã, modista e estilista, vestindo grandes personalidades mundiais, como o a rainha Fabíola, da Bélgica, o Papa João Paulo II e o ex-presidente Juscelino Kubitschek. A obra cruzou fronteiras e conquistou o mundo.

Dica Frazão morava na rua Floriano Peixoto, 281, na área central de Santarém. No mesmo enderenço, por décadas funcionou o ateliê particular da modista. Desde 1999, o local é o museu da arte e vida deste ícone cultural.

Durante toda a vida, a artista usou matérias-primas especiais, como fibras, sementes e raízes amazônicas, sendo pioneira neste ramo. A técnica usada por ela ainda é mantida em segredo. A primeira criação, um leque de penas de arara, foi feita em 1949, seis anos após a chegada dela em Santarém.
Primogênita de um casal de agricultores, ela nasceu em Capanema, nordeste do estado do Pará, no dia 29 de setembro 1920. Os estudos convencionais foram até a quarta série, mas o aprendizado de vida seguiu até o último instante. Ela ficou órfã de mãe aos 12 anos e o pai deixou a família dois anos depois. Dica, então com 14 anos, teve de cuidar dos sete irmãos mais novos.

Dica Frazão tinha a expressão maior da arte, feita com matéria prima extraída da floresta, se transformou em lenda que atravessou barreiras do tempo no cenário internacional.
Uma mulher que teve o privilégio em ter tecido uma toalha de mesa que foi levada para o Papa João Paulo II, no Vaticano. O detalhe é que todas essas peças, incluindo a toalha de banho dada ao então presidente Juscelino Kubitscheck, quando ele veio visitar as obras da Rodovia Transamazônica, no ano de 1957, foram feitas com fibra de patchulli, casca de madeira da Amazônia.

sábado, 25 de março de 2017

ALMEIRIM TEMPO DE DESAFIO E RECONSTRUÇÃO



Está sendo um desafio na reconstrução em toda cidade, o que era para ser usado para o benefício da população, a gestão passada deixou se transformar em um lixo.
Hoje a realidade já é outra em Almeirim, aos poucos a cidade está se renovando, para isso, são muitas as ações para mudar o estado de calamidade municipal. São aparente os novos passos em direção à um novo futuro, muito mais próspero e com excelente qualidade de vida a todos os almerimenses.
Almeirim, município famoso pelas riquezas naturais e minerais, onde ainda funciona o Projeto Jari, maior fábrica de celulose do Brasil, uma referência na propriedade com exportação de queijos e peixes para toda região. Um município que por décadas teve a oportunidade de se desenvolver como uma referência de desenvolvimento no estado do Pará, mais o que se observa durante muito tempo, é um descaso pelos governos que passaram pelo município, principalmente a administração que esteve nos últimos oito anos, deixado um rastro de destruição do patrimônio público na cidade; Hospital Municipal abandonado, o Estádio de Futebol, destruído, Secretaria de Infraestrutura, com equipamentos e maquinas totalmente sucateados e destruídos, uma situação de calamidade, essa é a triste realidade de descaso deixado pela gestão passada.

Mais perto do Povo - Prefeita Adriane Bentes abre as portas do gabinete dando atenção no dia-a-dia do povo da cidade e do interior.


AS OBRAS NÃO PARAM

Prefeita Adriane Bentes visita cada frente de ação da secretaria de obras, na limpeza e reparos nas rua,  realizado na cidade e no distrito de Monte Dourado.  

 Prefeita convoca todos na cidade, a unir forças para conquistar uma cidade mais limpa.
ÁGUA PARA TODOS!
Mais de 50 famílias que não tinha água, são beneficiadas com trinta mil litros de água é de boa qualidade, todos os dias em Almeirim. Essa nova realidade faz parte do projeto de ação do governo para amenizar a falta d'agua no município.
PRIORIDADE NA EDUCAÇÃO
Em visita as comunidades, Adriane Bentes faz um levantamento sobre a atual situação da educação no município, ouvi as reclamações do descaso de como educação ficou e toma atitudes urgentes para amenizar os mais graves problemas.
“É inadmissível que os alunos fiquem sem aula por causa das condições precárias das escolas,”. Declarou a prefeita. Este é o momento de reerguer a Educação em Almeirim e todas as secretarias estão integradas neste desafio.
União e Consociação, faz do governo atual, uma identidade institucional de grande importância para transformação de uma nova Almeirim.
APOIO 100% NO FUTEBOL - Em visita ao Estádio Alberto Monteiro de Sousa, a prefeita entregou materiais esportivo para a preparação dos treinamentos da Seleção de futebol de Almeirim.
De acordo com o parlamentar o principal objetivo é resgatar a paixão dos jovens almeirimense que praticam o esporte e essa paixão será resgatada com investimento e responsabilidade.
“Temos excelentes jogadores e precisamos urgentemente profissionalizar esses atletas, Chega de sermos amadores, esse é o primeiro passo para organizarmos o nosso futebol”, comentou Adriane Bentes.




sexta-feira, 24 de março de 2017

139 ANOS DO MAJESTOSO THEATRO DA PAZ

O Theatro da Paz foi fundado durante o período áureo do ciclo da borracha, quando a economia da região amazônica demonstrou um grande crescimento e a sociedade paraense passou a viver os costumes europeus. Belém começou a ser conhecida como a “Capital da Borracha”, passando a necessitar de um teatro que suprisse os grandes espetáculos do gênero lírico.















O Theatro da Paz foi fundado durante o período áureo do ciclo da borracha, quando a economia da região amazônica demonstrou um grande crescimento e a sociedade paraense passou a viver os costumes europeus. Belém começou a ser conhecida como a “Capital da Borracha”, passando a necessitar de um teatro que suprisse os grandes espetáculos do gênero lírico.
O engenheiro militar José Tiburcio de Magalháes foi contratado pelo Governo para dar início ao projeto arquitetônico inspirado no Teatro Scalla de Milão (Itáia). Fundado no dia 15 de fevereiro de 1978, o teatro foi a primeira casa de espetáculos construída na Amazônia, seu nome foi escolhido em referência a Paz pelo fim da guerra no Paraguai.

Com estrutura grandiosa e visual majestoso, o teatro dispõe de 1.100 lugares, acústica perfeita, lustres de cristal, piso em mosaico de madeiras nobres, afrescos nas paredes e teto, dezenas de obras de arte, gradis e outros elementos decorativos revestidos com folhas de ouro.
Localizado no coração de Belém, é palco de orquestras, peças e outras apresentações artísticas, sendo atualmente, o maior Teatro da Região Norte, considerado um dos Teatros-Monumentos do País, e um dos mais luxuosos do Brasil. Motivo de orgulho para os paraenses, o teatro encanta a todos que o visitam ao longo de seus 139 anos. Parabéns!!!

CONCERTO DE ANIVERSÁRIO THEATRO DA PAZ, MISTURA CLÁSSICOS DE WALDEMAR HENRIQUE AO SOM DA JAZZ BAND
No palco, chocalhos, tambores, apitos, flautas e molhos de chave completavam o jogo de instrumentos cativos do jazz, como guitarras semi-acústicas, contra-baixos, trompetes, trombones e bateria. Na plateia, aplausos acompanhavam a banda a cada pedido gestual do maestro Nelson Neves, que criava uma sinergia entre músicos e plateia em um ritmo uníssono. Para surpreender ainda mais, o concerto contou com as participações especiais do MC Koala e DJ Morcegão.
“A Amazônia Jazz Band tem raízes no jazz, nas big bands norte-americanas, mas é eclética, então flertamos com outros ritmos, como o funk, carimbó, baião, frevo e hip hop. Nos preparamos arduamente para este concerto. O Da Paz, Waldemar Henrique e o público merecem essa dedicação”, explica o maestro sobre o DNA miscigenado da banda que, atualmente, conta com 20 músicos.
No camarim ao lado estavam MC Koala e DJ Morcegão. Koala, que ganhou notoriedade na “Batalha de MC’s”, realizada no bairro de São Brás, em 2012, conta que o convite para fazer parte do concerto é um motivo de orgulho. “É a primeira vez que entro no Theatro da Paz e a honra que sinto por ter sido convidado para essa apresentação é indescritível. Essa é a quinta vez que me apresento com a Jazz Band e a primeira ao lado do Morcegão, que é um DJ experiente. Apesar do hip hop e jazz terem influências diferentes, casam bem por causa do groove, então não tem como dar errado”, disse ansioso.
Ao todo, a Amazônia Jazz Band tocou 11 músicas, sendo quatro de autoria do maestro Waldemar Henrique. “Tamba Tajá” foi executada em parceria com o MC Koala e DJ Morcegão, que criaram letra e arranjos especiais para a canção. Ao final do concerto, banda e público cantaram “parabéns para você” para o teatro e maestro Waldemar Henrique.